Dicas de Saúde

Junho 30, 2016

* Criolipólise - O poder do Gelo

Criolipólise!

Desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, a criolipólise usa baixas temperaturas para acabar com a gordura localizada. O aparelho é colocado na superfície da pele, fazendo as células de gordura serem congeladas a temperaturas negativas para serem destruídas. Em contato com a baixa temperatura, as células de gordura - chamadas de adipócitos - se rompem totalmente. Em consequência, o corpo entende que elas não fazem mais parte do organismo e as expele naturalmente. O tratamento vem fazendo tanto sucesso que está chamado de "a nova lipoaspiração", com a diferença de que diferentemente desse método, a criolipólise não é um procedimento cirúrgico.‪#‎Criolipólise‪#‎PoderDoGelo ‪#‎XôGorduraLocalizada.

 

Junho 30, 2016

* Dicas para os dias quentes

 

1- Hidratar, hidratar, hidratar

A pele no inverno, especialmente quando está muito frio, fica ressecada e descamativa. Alguns cuidados são importantes Para prepará-la para os dias quentes como beber muito liquido, usar sabonete neutro, tomar banho rápido, tomar banho não muito quente e passar hidratante 1x/dia

2- Nutrir

Usando hidratantes com vitaminas, isoflavona, uréia, ácido hialurônico, vitaminas E, A e C que também ajudam a manter o bronzeado. O hidratante pode e deve ser usado após o banho, pois a pele está mais receptiva a penetração da mesma. Mãos e pés, assim como cotovelos e joelhos devem ser mais hidratados.

3- Esfoliar

As primeiras esfoliações ao sol, depois do inverno, são as mais importantes para que o bronzeado seja bonito e saudável. A esfoliação é interessante para atenuar as células mortas e tornar a pele mais homogênea. Geralmente os cotovelos e joelhos estão mais ressecados, enquanto algumas áreas como braços e pernas apresentam áreas de descamação. Esfoliar com produtos como grânulos de polietileno, produtos abrasivos com sementes naturais como apricot, hamamélis e uva, também ajudam na hidratação da pele. Esfoliar 1x semana ajuda a pigmentação tornar-se regular e persistente.

4- Tomar sol aos poucos

Se a pessoa estiver muito "branquinha" não adianta tomar 10 horas de sol para forçar o bronzeamento. Isto porque o tiro sai pela culatra e ela fica vermelha, queimada e acaba descamando. O ideal é ir tomando sol aos poucos sempre com filtro solar. A pele vai ficando morena aos poucos e o bronzeado dura mais tempo.

5- Usar bem e conseguir o melhor

O filtro solar protege sua pele e permite que você adquira cor mais saudável. Ele deve ser passado 30 minutos antes da exposição ao sol. Deve ser bem espalhado. Não esquecer das orelhas e dorso do pé.

6- Usar o bronzeador sem sol

O autobronzeador ou bronzeador sem sol, promove a mudança de cor sem necessidade da luz ultravioleta. Porém, ele ajuda a pessoa não sentir a ansiedade de adquirir a cor tão rapidamente. Usando a dihidroxiacetona dias antes de começar a exposição ao sol haverá um certo grau de proteção e também menos pressa, pois a pele já está bronzeada e bonita.

7- A alimentação no verão deve ser leve e saudável

Comer cenoura, mamão, laranja, tomate, ajuda a conseguir melhor bronzeado. É a ação do betacaroteno que ajuda a promover maior proteção. Ingerindo estes alimentos e também muita vitamina C (laranja, limão, acerola) e E (grãos) haverá ação anti-oxidante da mesma e maior duração do bronzeado. Além disso, o mais importante é que a quantidade do filtro seja adequada (camada grossa).

Junho 17, 2016

* Limpeza de Pele

A Limpeza de pele remove sujidades, controla o excesso de oleosidade e consequentemente diminui o aparecimento de cravos e espinhas. Também afina a camada córnea favorecendo para uma melhor permeabilidade cutânea, hidratação e saúde da pele.
Indicada para todos os tipos de pele.

Junho 15, 2016

* O que você ainda precisa saber sobre repelentes

Existem várias doenças que são transmitidas por insetos causando danos irreversíveis e até morte. Infelizmente a dengue já comprometeu mais do que 50 milhões de pessoas e agora, o Zica está provavelmente associado a microcefalia, tornando a gravidez um grande risco nesse momento. Portanto, enquanto não existe vacina ou tratamento específico, é muito importante usar repelentes que evitam picadas de insetos.

Os repelentes tópicos atuam formando uma camada de vapor acima da pele, que tem odor repulsivo para os insetos. Eles podem ter várias apresentações como aerossol, gel, loção e spray.

Muitos fatores diminuem a eficácia dos repelentes, como a presença de inflamação e alergia na pele, ingestão de álcool, vestimentas coloridas e escuras, umidade, calor, perfumes florais, entre outros. Sendo assim, é importante realçar que o repelente não protege igualmente todos os seus usuários. Cada 10°C a mais na temperatura ambiente, pode diminuir em até 50% a eficácia do repelente. No Brasil, em certas regiões muito quentes, este fato é muito relevante, deixando as pessoas desprotegidas. Existem basicamente três substâncias que têm ação cientificamente comprovada contra o mosquito, conforme mostra a tabela abaixo:

Princípio ativo Concentração Tempo de proteção

DEET 6-14% 2h
Icaridina 25-50% 5 – 10h
IR 3535 ——- Até 4h
Óleo de citronela 1,8% Até 2h
Estas substâncias são eficazes em proteger a pele e também em relação ao aedes aegypti, porém a duração de cada componente é diferente, sendo assim, importante realçar que vários produtos protegem contra a picada do aedes aegypti e que a bula, com instruções de cada um, tem que ser lida para saber a duração de cada produto.

O uso do repelente em crianças menores de 6 meses é contraindicado formalmente. Em crianças de 6 a 24 meses ele deve ser usado em situações de risco. As crianças entre 2 a 12 anos devem usar o produto, de preferência com a especificação para esta idade. Os trabalhos científicos advertem que em crianças é melhor utilizar a menor concentração efetiva.

Em relação aos ativos existentes, a Icaridina, em concentrações de 10%, confere proteção de 3 a 5 horas e com 20% de 8 a 10 horas, sendo recomendável para crianças e grávidas, pelo tempo menor de duração. Sua reaplicação pode ter intervalos maiores. A potência dessa substância, em relação ao aedes aegypt, é de 1,1 a 2x mais potente que o DEET. O IR3535 é um biopesticida sintético usado há mais de 20 anos em concentração de 10% e protege de 4 a 6 horas, sendo seguro para gestantes e crianças. Outros repelentes com óleos naturais, como de soja ou citronela, têm duração menor e precisam ser repetidos muitas vezes.

Sempre há a preocupação com o uso excessivo de repelentes, pois os produtos podem ter alguma toxicidade, principalmente em grávidas e crianças. Pode haver reações adversas, que em geral são leves, como coceira, urticária, alergia de contato, erupção bolhosa e irritação ocular. Há relatos mais raros, como complicação neurológica, irritabilidade, tremores, fraqueza e até encefalite.

Sempre lembrar que a proteção, além dos repelentes, é muito importante, como mosquiteiro, telas e roupas com tecido claro e de trama fechada. O mosquito tem atração pelas cores mais escuras e também por aromas como perfumes. As telas e os mosqueteiros podem ser impregnados de permetrina.

Durante a noite é inútil usar repelentes, pois o lençol ou coberta tira a ação do mesmo. Assim como não adianta passar repelente e colocar roupa por cima, mas ele pode ser usado por cima da roupa.

Orientações de uso:

Passar uma quantidade suficiente para cobrir a pele. Evitar o uso em qualquer mucosa (nariz, lábios, olhos), pois são irritantes.

A ação do repelente limita-se a um raio de 2cm; então distribuir bem na área. Protege até 4cm acima da pele.

Deve-se repetir o uso conforme orientação do fabricante. Evitar usar mais do que 3 vezes ao dia.

Não adianta usar e colocar roupa ou lençol por cima.

Quando há necessidade de usar filtro solar ou hidratante, o repelente é sempre o último a ser usado.

Não ser usado em crianças menores de 6 meses. Crianças de 6 meses a 2 anos, só aplicar 1 vez ao dia. Crianças de 2 a 12 anos e grávidas aplicar até 3 vezes ao dia. Os pais devem passar nas crianças e não permitir que as mesmas manipulem o produto.

As grávidas devem seguir a mesma orientação e cuidados que as crianças.

Todos os repelentes com DEET, Icaridina e IR3535 funcionam contra o aedes aegypti, porém tem duração diferente.

Fatores ambientais e genéticos podem influenciar na duração do repelente.

Cada 10º a mais de calor diminui dramaticamente a ação do repelente.

Todas as proteções, além do repelente, são importantes e interessantes.

Após o término do tempo de duração do repelente, a pele deve ser lavada com água e sabão.

Evitar protetores solares com repelentes, pois são ineficazes.

Lave sempre as mãos, após manipular os repelentes.

Não durma com repelente.

Se tiver reação na pele, procurar um dermatologista

Junho 15, 2016

* Alterações dermatológicas na gravidez

 

As alterações cutâneas e de anexos durante a gravidez comumente se apresentam desde o início deste período e são em grande parte moduladas por fatores imunológicos, metabólicos e hormonais. É importante saber distinguir as alterações normais da pele durante a gestação de suas dermatoses para se evitar tratamentos desnecessários e que podem ser prejudiciais.

1- Hiperpigmentação

É a alteração fisiológica mais encontrada na gestação (90%), sendo mais comum em mulheres de pele mais escura. Caracteristicamente, a hiperpigmentação aumenta de intensidade ao longo da gravidez e decresce no pós-parto, à exceção das áreas que normalmente já são hiperpigmentadas, as quais não voltam a apresentar a tonalidade pré-gravídica. A explicação deste processo não é muito clara, mas pode ser atribuída ao aumento dos níveis de hormônios estimuladores de melanócitos (células que produzem a melanina – pigmento da pele), estradiol e progesterona.

Clinicamente, a hiperpigmentação é evidenciada por alguns sinais.

São eles :

- escurecimento de áreas que já são normalmente pigmentadas (aréolas, mamilos, genitália, axilas, região periumbilical e interior das coxas).
- hiperpigmentação branda generalizada
- escurecimento da linha alba: formação de uma faixa linear acastanhada ao longo da linha média do abdome. É comumente conhecida como linha nigra.
- melasma (cloasma): também conhecido como “máscara gravídica”. Ocorre em mais de 50% das gestantes.

Caracteriza-se por áreas escurecidas na face, pescoço e antebraços, sendo preferenciais as regiões malares, nariz e queixo. Predisposição genética desempenha papel importante para a sua manifestação, bem como exposição solar. Se há melasma anterior à gravidez, este tende a piorar a partir do segundo trimestre. Apresenta alta incidência (acima de 75%) durante a gestação. O uso de filtro solar é recomendável. O melasma geralmente regride depois do parto, mas pode persistir em menos de 10% dos casos.
- pigmentação de cicatrizes recentes 
- escurecimento de sardas e pintas
-melanoníquia longitudinal: é a pigmentação em faixa de uma ou várias unhas, transitória, que desaparece ao término da gravidez.

2- Pêlos e gravidez

Hirsutismo

Hirsutismo significa aumento dos pêlos do corpo e está presente em praticamente todas as mulheres na gravidez, em diferentes graus. É mais freqüente na face, mas também ocorre nos braços, pernas e dorso. Acredita-se que o fenômeno esteja relacionado às alterações hormonais próprias da gravidez e em geral regride dentro de 6 meses pós-parto.

Cabelos

O ciclo do pêlo envolve fases de crescimento e repouso. A fase anágena corresponde ao período de crescimento e tem duração de 2 a 4 anos no couro cabeludo. Segue-se uma fase catágena, em que há interrupção da proliferação celular, com duração de cerca de 3 semanas. Por fim, na fase telógena se dá o desprendimento do cabelo da papila dérmica, com duração de 3 a 4 meses. Na gravidez, uma fase anágena prolongada tem sido demonstrada e as mulheres geralmente percebem aumento da espessura do fio de cabelo no período. Entretanto, dentro de 1 a 5 meses após o parto, uma grande proporção de cabelos entram em fase telógena, resultando em queda importante de fios, trata-se do eflúvio telógeno, que pode persistir por alguns meses. Algumas mulheres desenvolvem afinamento difuso dos fios ou rarefação capilar, situação que pode não ser totalmente reversível no pós-parto.

Glândulas sebáceas

Estão presentes em toda a pele, à exceção das regiões palmo-plantares. Há evidência de aumento de sua atividade durante a gravidez devido ao excesso de estrógeno circulante. De qualquer forma, o efeito sobre a acne é imprevisível.
Em aproximadamente metade das gestantes, ocorre hipertrofia das glândulas sebáceas areolares, formando pápulas acastanhadas conhecidas como tubérculos de Montgomery, que tendem a se resolver no pós-parto.

3- Alterações do tecido conectivo

Estrias 
Ocorre na maioria das mulheres grávidas, usualmente no final do segundo trimestre. Mulheres brancas são mais propensas que negras e orientais, com uma incidência de 90%. Lesões lineares inicialmente violáceas se desenvolvem no abdome e às vezes nas coxas, braços, seios, axilas e nádegas. Evoluem para linhas esbranquiçadas nas proximidades do parto. Diversos fatores favorecem o desenvolvimento das estrias, como grau de distensão abdominal e ganho de peso materno, predisposição genética e mudanças hormonais. As estrias comumente representam um problema cosmético para as mulheres, permanecendo no pós-parto, embora se tornem menos evidentes. Medidas preventivas nem sempre trazem benefícios, mas incluem: massagem com óleo e cremes hidratantes.

Alterações mamárias

São proeminentes durante a gravidez e incluem aumento de volume, ereção dos mamilos, hiperpigmentação de mamilos e das aréolas, veias proeminentes, estrias, tubérculos de Montgomery. Todas essas alterações estão relacionadas com hormônios adrenais, pituitários e placentários, assim como pela retenção de sódio e fluidos.
Edema (inchaço)

Durante o final da gestação, o edema generalizado ocorre em 50% das mulheres. O edema de pés e pernas ocorre em 70% dos casos e pode ocorrer edema de pálbebras, face e mãos na mulher grávida.

4- Alterações vasculares e hematológicas

As alterações vasculares são bem descritas durante a gestação e são devidas a dois fatores principais: hormonais e aumento o volume de sangue.

Eritema palmar (vermelhidão das palmas das mãos)
É alteração freqüente na gravidez, atingindo 70% das mulheres brancas e 30% das mulheres negras, surgindo em geral no primeiro trimestre. Cerca de 90% das mulheres grávidas com eritema palmar podem observar resolução na sétima semana do período pós-parto.

Varizes

Das mulheres grávidas, 40% desenvolvem varizes, mais comumente nas pernas. São também prevalentes hemorróidas e varizes vulvares. 
Os tratamentos incluem excisão, ablação endovascular, escleroterapia endovascular, técnicas de radiofreqüência, dentre outras. Esses tratamentos são efetivos, mas não devem ser realizados na gravidez, pois os riscos não são conhecidos. Após a gravidez tais procedimentos são considerados seguros, além de mais efetivos.

6- Alterações mucosas

- Gengivas: alterações nas gengivas comumente ocorrem na gravidez. A mais comum é o edema, mudando a cor da gengiva do vermelho escuro ao azulado. Também há uma tendência aumentada de sangramento gengival. Normalmente estas alterações ocorrem durante o quarto mês de gravidez e persistem por semanas após o parto. Outras alterações gengivais: hiperemia (vermelhidão) gengival, gengivites, aftas, periodontite, cáries (devido à alteração de composição salivar). 
- mucosa vaginal: ocorre escurecimento da vagina e da vulva.

7- Unhas

Ocasionalmente as seguintes alterações ungueais podem ser notadas:
- sulcos transversais (pequenos “afundamentos” no sentido transversal da unha)
- manchas brancas
- espessamento da lâmina
- descolamento da unha

Não existe explicação para a ocorrência destas alterações na gravidez.